MP investiga fechamento de leitos no Hospital Universitário

Cascavel – O Ministério Público de Cascavel está apurando a informação que o Hospital Universitário de Cascavel fechou 59 leitos de enfermaria.

O promotor Angelo Mazzucchi Santana Ferreira afirma que a atitude coloca a vida da população de toda a região em risco, já que a unidade é referência em atendimento. Ele ainda relata que não foi esclarecida a razão do fechamento.

Um recomendação administrativa foi enviada ao reitor, determinando que 30 dos leitos abram em sete dias e os outros em 15 dias. Caso isso não aconteça, o MP pode buscar ajuda na Justiça para reabertura.

O reitor do Hospital deve também explicar, quais alas tiveram leitos fechados.

Veja a nota do Hospital Universitário:

“Na data de 16 de março, houve também um decreto do Governo do Estado, que dispensou trabalhadores do grupo de risco, entre eles, pessoas acima de 60 anos, doentes crônicos, gestantes e lactantes. Nesse momento, o Huop teve cerca de 100 dispensas, e novamente, em comum acordo com a gestão da 10ª Regional de Saúde, e também Secretaria Estadual de Saúde, foi definido o fechamento temporário da ala F2, até contratação de substitutos.

O Huop deixa claro para toda população que em momento algum houve recusa de pacientes. No Pronto Socorro está sendo absorvida a demanda temporariamente.

Foi emitido documento informando o Estado sobre a necessidade de contratações emergenciais, assim como o andamento ao processo do chamamento público para contratação imediata, assim que a primeira ala foi fechada. Houve o prazo burocrático para isso, e, portanto, ele foi publicado nessa quinta-feira (23), quando também foi garantido o repasse de verba pelo Governo do Estado. Dessa forma, espera-se a contratação de até 170 profissionais, que serão essenciais para a ampliação de leitos e a manutenção dos já existentes no hospital.

O Huop é o hospital de referência para atendimento de pacientes vítimas da Covid-19, e para isso será destinado 32 leitos de enfermaria e mais 30 de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para combater a pandemia. Assim como demais instituições precisamos repensar nossas estruturas para esse momento de emergência e aguardamos que logo tudo se restabeleça”. 

Fonte: Tarobá News

Compartilhar:

Seja o primeiro a comentar

Leave a Reply